Plágio em blogs: to be or not to be?


Todos os dias leio alguma blogueira denunciando ou reclamando de alguém por plágio. Resolvi listar alguns tipos de copiadores(as):
vovo-simpatica_14Descarada "gente boa” > clona o post integral (incluindo imagens) com link para o post original e créditos. Essa faz porque “admira” o trabalho do blogueiro(a) copiado(a). vovo-simpatica_3 - Descarada “marvada” > clona o post integral (incluindo imagens) mas sem link nem créditos.
vovo-simpatica_1
Mascarada sem noção > copia o tema mas muda “algumas palavras” e assassina assina o post.
vovo-simpatica_11
- Mascarada profissional > copia o tema e muda tudo. Essa busca até fontes diferentes para desvincular da original.
vovo-simpatica_10 - Shakesperiana > pega a idéia e faz um post melhor do que o original. Tipo raro (que merece respeito).

“Ah, este cara tem… me consumido…

a mim e a tudo que eu quis…”

Cazuza já cantava essa música que se aplica a muitas situações, inclusive ao plágio na blogosfera. Em Artes, aprendemos que a originalidade é algo difícil de existir hoje. Em Literatura, aprendemos que todo texto é uma extensão de outros textos aos quais o autor faz referências.

Os textos/livros são mais ou menos como uma rede de blogs: as imagens representando os inúmeros links e conexões lembram um quadro de Pollock.

Ou seja, nosso post “original” não é bem “original”: pegamos as informações de fontes, citadas ou não. Somos mineradores separando o “ouro” da lama para nossos leitores. Entregamos esse “ouro”, e a partir desse momento ele não nos pertence mais: é do mundo para ser clonado, lapidado, fatiado, abandonado, guardado. Domenico de Masi fala sobre isso nos dois volumes do livro “Criatividade e Grupos Criativos”.

O Shakespeare que plagiava


Quem é o autor original de “Romeu e Julieta”? Se você respondeu Shakespeare, errou feio: a trama é uma cópia de “A trágica história de Píramo e Tisbe”, de Ovídio no livro “Metamorfoses”, publicado no ano 8. Inspirou o poema “A trágica história de Romeu e Julieta”, de Arthur Brooke, em 1562. De poema virou prosa nas mãos de Willian Painter em 1582. Então surge Shakespeare em 1591-1595 com sua versão para o teatro.
Segundo Harold Bloom, crítico de literatura que escreveu “O Cânone Ocidental” e “Onde Encontrar a Sabedoria” e fanzaço de Shakespeare, quem escreve melhor é o escritor “forte”. Acho que o mesmo sistema de crítica literária bloomiana vale para os blogs: não importa quem fez primeiro, mas quem fez melhor. Duvida? Já tinha ouvido falar em Ovídio, Arthur Brooke ou William Painter antes?

Harry Potter ou Tim Hunter?


“Jovem órfão vive no subúrbio de Londres, descobre que é um grande bruxo e encontra magos que o ensinam os caminhos da magia”. De quem estou falando? Se você respondeu Harry Potter, ok, mas na real é do Timothy Hunter, personagem de Neil Gaiman na obra “Livros da Magia”, lançado dez anos antes do bruxo de J.K. Rowling. Plágio?

Gaiman elegantemente defende sua conterrânea: diz que não. Concordo: “Livros da Magia” é uma obra muito superior a Harry Potter em termos de literatura, referências, originalidade e camadas de leitura. Mas… não são besta “best sellers”.

Tá, mas e daí?

E daí que tenho algumas sugestões para você:

Se você acha que foi “plagiada(o)”: aprenda com Neil Gaiman e seja elegante. Lembre-se que é melhor ser plagiado do que plagiar, e criar polêmica é divulgação gratuita.

Se você é plagiadora(or) (de qualquer tipo): seja ética educada(o) e dê créditos e o link. Se não quiser mesmo fazer isso, pelo menos tente ser como Shakespeare
E você, o que acha do “plágio”?
Obrigado a Priscilla Rezende pela inspiração. ;o)
Digg Google Bookmarks reddit Mixx StumbleUpon Technorati Yahoo! Buzz DesignFloat Delicious BlinkList Furl

19 comentários: on "Plágio em blogs: to be or not to be?"

Annina_NSS disse...

O assunto ficou mais sério ao longo do post, percebi.

Não nego que existam as "mascaradas marvadas", mas acho uma "encheção" de saco esse lance de toda hora uma blogueira gritar porque foi (ou se achou) plagiada.
Que saco!

Foi como você disse: todo mundo pega informação de algum lugar, de algum site mais importante ou de alguma revista.
Dou exemplo: alguns layouts da Camila, do GE, são cópia do Who What Wear.
Aí a gente pode criar um problema e dizer, "ó meu Deus, que copiona!"

A criatividade e originalidade pura são raros de se ver...
Todo mundo se inspira, gente!

Não tô criticando porque copio ou algo parecido (rsrs!), mas é porque acho que, às vezes, é muita presunção achar que "ó, estão me copiando".
Menos, por favor.
Muito menos!

Todo mundo sabe que aquele que se acha O invejado é o mais chatos de todos.

Annina.
www.naosousofisticada.com.br

Cris Pironi disse...

Eu acho q esse lance de copiar tema não existe.

Se é verão, se lançaram certo produto, se estão falando de certos estilos, claro q existirão uma série de posts semelhantes em blogs, afinal, nem em tese de doutorado a gente consegue a excluisividade desejada pq quase td já foi dito, mencionado, pensado.

Imagine em beleza. Falar de base, de estilo de roupa, enfim. Não rola. Não é copia de tema.

Eu acho uó a pessoa q copia td e não dá créditos. A q copia e dá créditos, simplesmente faz um blog sem graça, mesmo as q copiam de sites gdes e revistas pq, se eu quisesse ler a opinião da revista x ou da pessoa y, ia direto nela.

De resto, nem sei se me copiam e não preto atenção nisso. Só vou saber se um dia me mostrarem.

NiNah disse...

Nossa gostei muito dessas comparações.
No caso do Shakespeare e do outro autor citado...Até discordo porque, pelo menos foi o que estudei, nada era escrito então a pessoa colocou no papel o que já era falado.
E como o velho guerreiro dizia: Nada se cria, tudo se copia.
Algumas vezes o fazem bem.
Bjo

ADRI disse...

Plágio é crime. O mínimo que se deve é fazer a citação do autor, ou colocar que se é baseado neste. Controlar isto na internet é realmente difícil, mas penso que para quem possui bom senso e respeito, isto não será problema.
Bem, depois que o Coldplay ganhou um Grammy com a musica "Viva la Vida", que é um plágio descarado da música "If i could fly" do Joe Satriani, eu não divido de mais nada.
Podem comprovar neste link: http://diariodacriacao.blogspot.com/2008/12/viva-la-vida-e-joe-satriani-plgios.html

bjos.

Kell Castro disse...

Sinceramente acho esse negocio de "ai, fui plagiado (a)" uma tremenda besteira. Já fui plageada várias e nao me sinto ofendida, ao contrario, se me plagiam é sinal que estou falando algo de interessante nao acha?
Nao me importo se me dão crédito ou nao! eu tenho um Blog eu nao tenho uma "Coca Cola" e ainda sim a Coca cola copia um monte de coisas de um monte de lugares!
Se é falta de criatividade da pessoa ou nao é um problema dela, o intelecto dela é que será ferido! Eu? Fico feliz!

Além do mais, por mais que se faça pesquisa na internet para fazer um post legal, original, com sua opiniao e coisas parecidas, nossas opinioes, escrita, geralmente é influenciado pelas informações que a gente pega na internet. A gente lê, se informa e cria uma opiniao falando sobre aquilo, será que isso nao é de certa forma plágio também?? 90% dos blogs que vejo por aí começa o seu post com algo como "ah, estava andando nos blogs fulano, ciclano, beltrano... que falavam do assunto tal, e o outro complementou no tal e tal e aí eu resolvi falar disso aqui..." Afinal, a alma do blog nao é dentre outras coisas informar, dar opiniões sobre um tema??
Quer dizer que se eu ver na televisao uma reportagem falando sobre cortes de cabelo nao posso colocar isso no meu blog pq seria plágio da autora da reportagem??
Fala sério gente! Se colocamos algo para nossos leitores leem porque eles nao podem distribuir? Foi o que voce falou, a partir do momento que eu posto no blog nao é mais meu! Se eu quisesse que fosse meu, eu faria um livro e registraria!

Carol Branco disse...

Pertencemos à uma geração totalmente alinhada com a internet.
Convivemos com a realidade que nos permite muitas coisas, como por exemplo, o plágio. Acho que o mundo dos blogs têm espaço para tudo, mas é muito feio ficar "brigando e acusando" por conta dos créditos. Acho que a melhor saída é ignorar os plagiadores e dar vez à originalidade, que ainda é a melhor arma.

Agne disse...

Annina_NSS, talvez gritar que foi copiada seja uma forma de valorizar seu trabalho. Ou se auto-promover. Ou extravazar indignação. Ou tudo junto. ;o)

Agne disse...

Cris Pironi, concordo que essa história de copiar tema é besteira. Se a fonte é a mesma,o que diferencia é a análise e a crítica. O que não é pouca coisa.

Agne disse...

NiNah, Chacrinha estava certo!

Agne disse...

ADRI, se todos tivessem bom senso e respeito não precisaríamos de leis. E como diz um amigo meu advogado, "onde não há lei, há barbárie".

Agne disse...

Oi Kell Castro, assino embaixo. Colocando os créditos, podem copiar meus textos à vontade. Se não colocarem, bem, nem perco meu tempo com isso. O mundo é assim: uns copiam, outros criam, e tem espaço para todos, de acordo com seu mérito. ;O)

Agne disse...

Carol Branco, desejar a originalidade é compreensível, mas utópico. Podemos ser singulares, mas originais... dificilmente. Carls Jung dizia que "Todos nós nascemos originais e morremos cópias". Acho que todos nós nascemos cópias e decidimos como vamos morrer: cópias, singulares ou originais.

Meire disse...

Eu concordo com o pessoal aí. Uma vez que se coloca na internet não é mais seu. E realmente é muito chato pessoas que se importam com essas mesquinharias, procurando na net se alguém copiou o que ela escreveu. Haja tempo ocioso para isso!!! Eu fico feliz se o meu post serve de inspiração para outra postagem. Pessoal que tem tempo para perder com essas coisas, que tal usar esse tempo para fazer alguma coisa mais útil como ajudar outras pessoas, ou simplesmente observar o quanto a vida é bela. A vida pode ser cor de rosa se você acreditar.

Sil Rocha disse...

Gente, vivemos num mundo globalizado onde a maioria possui as mesmas fontes de informações e referências.Além disso temos a tal do senso coletivo que faz com que milhões de pessoas tenham a mesma idéia ao redor do mundo. Acho muita presunção o povo achando que descobriu como pôr ovo em pé com algum tema. No meu blog G de Gata http://sil.icaromonteiro.com/ trabalho com outra linha de textos, mais extensos,mais trabalhados como crônicas. Claro, se alguém copiar, espero que cite a fonte e obviamente vou ficar bem chateada se simplesmente,copiar, colar e se fazer de besta.Mas, não vou ficar fuçando atrás disso,nem me desgastando e berrando "É meu, é meu!". Tenho muito mais o que fazer, como pensar em novos textos.
O que acho idiota é achar que alguém é dona de um tema. Todo mundo vai falar das últimas tendências lançadas nos últimos desfiles, das makes mais bacanas, dos programas que estão bombando,de filmes, livros, dietas, guarda-roupas,da vida...
Isso funciona também para tutoriais, virou uma guerra, tem gente achando ser a única a ter direito de postar vídeos de makes, de produção de moda e blog TV.
Ah, e quanto a postar textos de outras pessoas, ou materiais como vídeos de outros blog,manda a etiqueta da internet e a boa educação em geral,que você peça permissão ao outro para utilizar algum material citando a fonte, o que acaba inclusive, formando um intercâmbio bem bacana.
Até agora só tenho amigos nesse meio e tenho recebido muita força de todos, principalmente por estar começando.
Já me pediram para usar meus textos e me senti feliz e elogiada.
Gente, ALDEIA GLOBAL. Vivemos num ovo!

Agne disse...

Meire, o negócio é produzir mais e se preocupar menos. ;o)

Agne disse...

Sil, o mundo é pequeno, os temas são os mesmos, o que pode ser feito de diferente é a abordagem. E ainda assim com pequenas variações. Apropriar-se é comum e até legítimo, desde que citadas as fontes e referências. Do contrário, entramos na questão do caráter, que não adianta discutir, ou a pessoa tem ou não tem.

CoisaFina disse...

então Agne roubo sua frase para dizer "não importa quem fez primeiro, mas quem fez melhor", hoje é muito difícil algo ser totalmente original. Sobre o plágio Harry Potter, sugiro que asssista o clássico desenho Japa Majo no takkyûbin http://www.imdb.com/title/tt0097814/ com certeza é a fonte inspiradora. Abs

gothmate igni delirium disse...

Ótima matéria. Tim Hunter é muito mais inteligente que Harry Potter; mas ambos tem seu valor. Li e reli ambos.
Eu conheço Ovidio, Piramo e Tisbe (que são tb citados em Sonho de uma noite de Verão) e Willian Painter.
De fato, Will Shakespeare tornou a história memorável.

gothmate igni delirium disse...

Tim Hunter é mais adulto que Harry Potter, mas ambos tem seu valor. Li e Reli ambos.
Eu já conhecia Ovidio e seus Piramo e Tisbe (que também aparecem em "Sonho de uma Noite de Verão"). Realmente, Will Shakespeare tornou a história memorável.

Postar um comentário

Deixe aqui o seu InSurto: